Há três anos na F1, circuito asiático viu acidente proposital de Piquet, vitórias de Alonso e trapalhada da Ferrari. Relembre

Neste fim de semana, a Fórmula 1 chega à 14ª etapa da temporada , em Cingapura, uma de suas mais novas sedes. A corrida no circuito de Marina Bay tem o grande diferencial de ser a única noturna - algo inédito na categoria antes da estreia do GP asiático, em 2008.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Embora recente, a corrida de Cingapura, em apenas três edições, já entrou para a história da F1 com episódios marcantes. O principal deles aconteceu logo no primeiro ano do circuito: Nelsinho Piquet seguiu ordens de sua equipe e forjou um acidente para beneficiar seu companheiro de Renault, Fernando Alonso, em um dos grandes escândalos da categoria na história.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros torcedores

O circuito, um dos mais longos do calendário com pouco mais de 5km, também foi palco de outras cenas inusitadas. Em 2008, Felipe Massa saiu dos boxes antes da hora, arrastando a mangueira de reabastecimento até o final da pit lane. Já na prova do ano passado, a Lotus de Heikki Kovalainen pegou fogo e foi o próprio finlandês quem apagou as chamas.

2011 também pode entrar para a história da pista. Isso porque há chances de Sebastian Vettel ganhar o título da temporada já neste domingo (25). Se isso acontecer, será a primeira vez que o circuito de Marina Bay consagra um campeão.

Confira a seguir alguns momentos que marcaram os primeiros anos do GP de Cingapura.

Escândalo da Renault

A primeira corrida em Marina Bay, no dia 28 de setembro 2008, parecia se desenrolar normalmente. Felipe Massa, segundo colocado no Mundial, havia largado na ponta, seguido por Lewis Hamilton e Kimi Raikkonen. Fernando Alonso, que começou em 15º, contou com uma estratégia ousada para tentar se recuperar, indo para o pit stop já na 12ª volta. Dois giros mais tarde, Nelsinho Piquet, companheiro do espanhol na Renault, sofreu um acidente na curva 17, que provocou a entrada do safety car.

Um dos poucos a parar antes da bandeira amarela, Alonso foi beneficiado e ganhou muitas posições quando os outros pilotos foram reabastecer. O incidente contribuiu essencialmente para a vitória do espanhol, sua primeira no ano.

No entanto, o que de início foi dado como sorte, mais tarde foi revelado como uma das tramas mais vergonhosas da história da F1. Quase um ano após o episódio, Piquet foi dispensado pela Renault e decidiu denunciar o jogo armado pela equipe naquela ocasião. O brasileiro recebeu ordens do chefe da escuderia, Flavio Briatore, para bater propositalmente naquela volta.

A FIA abriu investigação e, como resultado, Briatore e o chefe de engenharia da Renault, Pat Symonds, foram banidos da categoria e de qualquer evento organizado pela entidade. Nelsinho não foi punido e Alonso foi considerado inocente no caso. No começo de 2010, no entanto, os dirigentes, que haviam recorrido da decisão, tiveram seu banimento revogado.

Massa se complica nos boxes

A prova de 2008 não foi boa para os brasileiros. Além da confusão com Nelsinho, quem também teve problemas foi Felipe Massa. O piloto da Ferrari começou bem, mas foi prejudicado por uma falha inacreditável no pit stop, terminando fora da zona de pontuação. O piloto da Ferrari havia largado na pole position e se sustentava na primeira colocação até a entrada do safety car - provocada pelo acidente de Piquet.

Na 17ª volta, Massa fez sua primeira parada, assim como a maioria dos competidores. Foi então que ele teve sua corrida comprometida por um grave erro: a nova tecnologia de sinal luminoso - que substituia o antigo pirulito - autorizou o brasileiro a sair do pit antes da hora. Massa acelerou levando junto a mangueira de reabastecimento e derrubou um mecânico da equipe. O piloto teve de parar no final da pit lane, após escapar de uma colisão com Adrian Sutil, e aguardou a ajuda do time.

Com o incidente, o ferrarista caiu para a última colocação e teve de partir para uma prova de recuperação. Porém, tendo também recebido uma punição drive-through pelo ocorrido, não conseguiu ir além de 13º, permitindo a Hamilton se distanciar na liderança do campeonato, com uma vantagem de sete pontos.

Kovalainen vira bombeiro por um dia

Outro incidente inusitado do circuito de Marina Bay aconteceu em 2010. A poucas voltas do fim da corrida, longe da disputa por pontos, Heikki Kovalainen, da Lotus, tocou o carro de Sébastien Buemi, da Toro Rosso, no setor final. O finlandês rodou e precisou voltar aos boxes. Porém, no caminho, a traseira de seu carro começou a pegar fogo, devido a um dano no sistema de combustível.

Surpreendentemente tranquilo, Kovalainen desistiu de ir ao pit e, enquanto seu carro era consumido pelas chamas, calmamente estacionou na reta principal, desceu do bólido e pediu um extintor de incêndio para alguns mecânicos que estavam atrás das grades. O próprio piloto combateu o fogo, sob os aplausos dos torcedores. O incidente causou bandeira amarela, mas, como ele estava fora da pista, não foi necessária a entrada do safety car. Mais tarde, o finlandês brincou dizendo que merecia um aumento em seu salário, já que somava também a função de bombeiro.

Webber tira Hamilton da disputa

Além das cenas impressionantes do carro de Kovalainen, a prova do ano passado em Cingapura teve emoção garantida também por uma ótima disputa entre Lewis Hamilton e Mark Webber, que culminou com o abandono do britânico da McLaren. Hamilton largou na frente, em terceiro, enquanto Webber vinha logo atrás de Jenson Button, em quinto. Porém, os dois optaram por diferentes estratégias de pit stops: o australiano parou na quarta volta, após a primeira entrada do safety car, enquanto o britânico só foi para os boxes no 29º giro.

Com isso, Webber aparecia na frente da McLaren na 31ª volta, quando uma batida envolvendo Kamui Kobayashi e Bruno Senna provocou uma nova entrada do safety car. O grande momento do dia aconteceu logo após a relargada: atrapalhado por retardatários, Webber deu chance para Hamilton se aproximar e atacar, na tentativa de retomar sua posição. Mas o britânico exagerou. Após avançar alguns metros à frente da Red Bull, Hamilton não conseguiu concluir a ultrapassagem, forçou uma nova manobra na curva sete e foi tocado por Webber.

A Red Bull não foi danificada, mas o carro de Hamilton teve a suspensão quebrada, o que forçou seu abandono. Fora da prova pelo segundo GP consecutivo, o britânico ficou claramente insatisfeito e, ao parar sua McLaren em uma área de escape, arremessou o volante para fora do bólido, visivelmente irritado. Em uma temporada muito acirrada, os dois abandonos tiraram Hamilton da liderança para colocá-lo na terceira colocação, atrás de Webber e Alonso, mas ainda à frente do futuro campeão, Sebastian Vettel.

Mais uma vitória de Alonso

Fernando Alonso é o maior vencedor da recente história da F1 em Cingapura. Após a primeira vitória controversa em 2008, o piloto chegou em terceiro em 2009 e não deixou dúvidas de seu domínio em Marina Bay em 2010: foi pole position, liderou a prova de ponta a ponta e ainda cravou a volta mais rápida.

Porém, não sem antes sofrer para se defender dos ataques de Vettel até o último segundo. A disputa começou logo na largada. Alonso teve que jogar o carro para cima de Vettel para garantir a liderança na primeira curva e os dois logo se distanciaram dos outros pilotos. Alonso seguia firme na ponta até que, perto da metade da prova, começou a sofrer com o desgaste dos pneus e viu o alemão se aproximar.

O piloto da Red Bull estava bem mais rápido quando o espanhol foi para os boxes. Porém, em uma estratégia muito questionada, Vettel seguiu o ferrarista e também foi para sua parada. Com problemas na saída do pit stop, o alemão continuou atrás de Alonso e só voltou a ameaçá-lo nas últimas voltas. O espanhol se defendeu como pôde e conseguiu cruzar a linha de chegada na frente, apenas dois décimos antes de Vettel. Com o resultado, o piloto da Ferrari assumiu a vice-liderança do Mundial, enquanto o alemão ultrapassou Jenson Button na classificação e alcançou o quarto lugar.

Confira a programação completa deste fim de semana da Fórmula 1 em Cingapura*:

Sexta-feira, 23 de setembro
1º treino livre: 7h
2º treino livre: 10h30

Sábado, 24 de setembro
3º treino livre: 8h
Classificatório: 11h

Domingo, 25 de setembro
Grande Prêmio de Cingapura: 9h

* Sempre pelo horário de Brasília

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.