Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Fãs pelo mundo idolatram Barrichello

Piloto com maior número de GPs disputados na história da F1 tem torcedores em países como China e Hungria

iG São Paulo |

Rubens Barrichello completará 39 anos no dia 23 de maio. Dezoito deles dedicados à Fórmula 1. Ao todo, o brasileiro correu em 310 Grandes Prêmios, um recorde na categoria. Mas, apesar de ter sido duas vezes vice-campeão do mundo ao longo desse período, o brasileiro muitas vezes é cobrado em seu país pela falta de títulos. Mundo afora, porém, o piloto da Williams acumula fãs, não só pela longevidade na categoria, como também pelas “injustiças” dentro e fora das pistas.

Divulgação
Rubens Barrichello com sua fã chinesa Ling Chu (na foto acima)

Na China, país que sediou a corrida do último domingo (17), um site se dedica a atualizar todos os passos de Rubinho. Quem cuida dele é Ling Chu, uma moradora de Xangai apaixonada pelo piloto. O fanatismo é tão grande que Chu começou a aprender português só para conversar com torcedores brasileiros. Assistente social e fundadora do fã clube do piloto na China, a moça também traduz matérias do site de Barrichello e publica em chinês no http://www.barrichello.com.cn/.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

“Não sei como aconteceu com os outros chineses, mas eu virei fã em 2000, em Hockenheim (primeira vitória de Rubinho na carreira). Para os mais jovens, talvez tenha sido em 2004, no GP da China. Ele foi o primeiro vencedor aqui”, conta Chu, que relembra o ano de estreia da prova em Xangai.

Para Youssef Mojahid, um fã marroquino, a torcida por Rubinho começou com a prova da Áustria, em 2002, quando Michael Schumacher recebeu de “bandeja” a vitória pelas mãos do brasileiro. “Ele é um cara legal, tem um grande talento. E ainda pesa o fato dele nunca ter tido uma oportunidade justa de vencer um Mundial”, afirmou.

Na fatídica corrida da Áustria, em 2002, os torcedores brasileiros ficaram indignados com a postura de Barrichello ao obedecer às ordens da Ferrari, que pediu uma troca de posição com o alemão. “Eu fiquei tão bravo, que disse para mim mesmo: ‘esse cara merece ganhar um Mundial’”, contou Mojahid.

Como o Marrocos não recebe provas da F1, o fã ainda não teve a chance de encontrar pessoalmente seu ídolo. Diferentemente da chinesa Chu, que vê o piloto em todos os GPs da China e já chegou a viajar para Austrália, Cingapura e Mônaco a fim de acompanhar as provas.

Estrangeiros na Granja

Para este ano, a legião internacional de fãs é esperada nas 500 milhas da Granja Viana - tradicional prova de kart disputada anualmente em São Paulo. Chineses já confirmaram.

Quem também já garantiu presença é a dupla de húngaros Adam Unger e Marianna Horvath, editores do site www.barrichello.eu. Lá, há imagens históricas do piloto, fórum de discussão e notícias quentes do brasileiro. Um acompanhamento de perto.

A proximidade aumentou ainda mais depois da revolução do Twitter. Os dois fãs húngaros não passam um dia sem chamar Barrichello ou mandar um recado de apoio. “Rubens, como está aí na China? Você está bem?”, perguntou Unger na semana da terceira corrida da temporada.

O Twitter é uma forma usada pelos torcedores de se comunicaram e dividirem as informações sobre o ídolo. Na Austrália, na Inglaterra e na Alemanha, outros fãs clubes se dedicam ao mesmo assunto e mostram paixão pelo piloto brasileiro. O fato é que, se Rubinho não goza de tanta idolatria no Brasil, fora de seu país o piloto agrega diversos fãs.

Confira o twitter dos fãs de Barrichello ao redor do mundo:

http://twitter.com/#!/uadam - Fã da Hungria

http://twitter.com/#!/I_Hate_Errors - Fã do marrocos

http://twitter.com/#!/lainchu - Fã da China

http://twitter.com/LucasBar97 - Fã da Alemanha

http://twitter.com/roobeanho - Fã da Austrália

http://twitter.com/#!/@tracym111 - Fã da Inglaterra
 

Leia tudo sobre: rubens barrichelloling chuchina

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG