Circuito alemão também já foi palco de grave acidente com Niki Lauda. Confira alguns momentos históricos da pista

O circuito de Nurburgring , que recebe neste domingo (24) a 10ª etapa da temporada da Fórmula 1 , é palco de provas da categoria desde 1951. Além da tradição, a pista se destaca por outro motivo: é a única a ser sede de três Grandes Prêmios diferentes. Além do GP da Alemanha, Nurburgring recebeu corridas do GP da Europa e de Luxemburgo.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

As histórias fantásticas no circuito alemão começaram a acontecer logo em sua primeira década na F1. Em 1957, o pentacampeão Juan Manuel Fangio conquistou sua última vitória na categoria. E não foi um triunfo qualquer. De acordo com o próprio, foi a conquista mais espetacular de sua carreira.

Além da épica vitória de Fangio, Nurburgring presenciou alguns sustos também. Como o famoso acidente que quase tirou a vida do tricampeão Niki Lauda.

Apesar da longevidade da pista, apenas um brasileiro conseguiu subir ao lugar mais alto do pódio ali. E não foi nenhum campeão do mundo. Rubens Barrichello tirou a seca de vitórias do Brasil em Nurburgring em 2002.

A seguir, confira alguns dos momentos mais marcantes da história do circuito alemão:

1) Maior grid da história

Quem assiste às corridas de Fórmula 1 hoje e vê 24 pilotos distribuídos por 12 escuderias deve estranhar ao saber que já houve uma prova com 10 competidores a mais no grid. Em 1953, Nurburgring presenciou a largada com o maior número de pilotos da história da principal categoria do automobilismo.

Foram 34 pilotos disputando as 18 voltas do GP da Alemanha, que foi vencido pelo ferrarista Nino Farina. Além do italiano, a escuderia de Maranello tinha mais seis representantes. Junto com a extinta Veritas, foram as equipes com mais pilotos naquele histórico grid.

2) Show derradeiro

Juan Manuel Fangio é um dos principais nomes da história da Fórmula 1. Em 1951, o argentino foi o segundo campeão da categoria e, posteriormente, em 1957, aos 46 anos, chegou ao seu quinto título mundial.

Nesse mesmo ano, o piloto conquistou no GP da Alemanha a sua última vitória na categoria. E de forma gloriosa. No classificatório, Fangio, com sua Maserati, confirmou a soberania ao ficar com a pole position.

Na corrida, no dia 4 de agosto, tudo corria bem e o argentino liderava com folga até a metade da prova. Com mais de 30 segundos de vantagem para o ferrarista Mike Hawthorn, Fangio parou no pit para reabastecer. No entanto, um de seus mecânicos errou a troca de pneus e o piloto saiu dos boxes 45 segundos atrás das duas Ferraris.

Foi quando começou seu show. O pentacampeão bateu o recorde da pista várias vezes consecutivas e, na última volta, tomou a posição de Peter Collins para depois ultrapassar Hawthorn. O público presente em Nurburgring foi ao delírio para saudar a vitória que o próprio Fangio classificou como a melhor de sua carreira.

3) Lauda sobrevive

Niki Lauda era o grande favorito ao título mundial de 1976, que seria seu bicampeonato. Campeão do ano anterior, o austríaco havia vencido cinco e ficado no pódio em mais três de nove corridas disputadas antes do GP da Alemanha daquele ano. O piloto da Ferrari tinha 31 pontos de vantagem sobre o vice-líder Jody Scheckter e seu segundo título na categoria era praticamente certo.

Ele largava em segundo lugar em Nurburgring, atrás apenas de James Hunt. Na segunda volta da prova, entretanto, o austríaco teve problemas com a suspensão de sua Ferrari e não conseguiu concluir uma das curvas, chocando-se em cheio contra o muro. Após bater na parede, o carro do piloto voltou à pista e ainda recebeu uma pancada de Brett Lunger, que não conseguiu desviar. O fogo logo tomou conta de todo o seu bólido e Lauda teve queimaduras e ferimentos gravíssimos.

Exemplo de superação, o austríaco, que escapou por muito pouco da morte, retornou após se ausentar de apenas dois GPs e protagonizou com Hunt uma das temporadas mais emocionantes da F1.

4) Única vitória brasileira

Alguns nomes consagrados do automobilismo brasileiro, como Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Ayrton Senna, já correram em Nurburgring. Contudo, nenhum deles conseguiu vencer.

O único brasileiro a subir no lugar mais alto do pódio em Nurburgring foi Rubens Barrichello. Correndo pela Ferrari, no GP da Europa de 2002, Rubinho conquistou a segunda vitória de sua carreira. Após largar na quarta colocação, Barrichello assumiu a ponta e manteve a primeira posição até o fim da corrida.

5) Vitória de Raikkonen escapa na última volta

O GP da Europa, disputado em Nurburgring, foi a sétima etapa da temporada de 2005. Com duas vitórias nas corridas anteriores, Espanha e Mônaco, o finlandês Kimi Raikkonen, que corria pela McLaren, vinha embalado para tentar acirrar ainda mais a disputa pelo título do Mundial de Pilotos, que tinha Fernando Alonso como líder.

Logo na largada, Raikkonen, que era o segundo do grid, avançou sobre o pole position Nick Heidfeld e conquistou a liderança. Pouco depois, o finlandês perdeu posição para a Red Bull de David Coulthard.

Faltando 11 voltas para o fim da prova, após várias trocas de posições, nas quais Alonso ainda conseguiu assumir a liderança provisória, Raikkonen recuperou a ponta e avançou para sua terceira vitória consecutiva.

Mas, na última volta, a McLaren do “homem de gelo” teve problemas e o piloto foi parar no muro. Sorte do espanhol, que viu a vitória cair em seu colo. Foi o quarto triunfo de Alonso naquele ano. Mais tarde, o espanhol conquistou seu primeiro título na F1.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.