Trabalhadores perderam o emprego em 2011 por contra de manifestos políticos

O Circuito Internacional do Bahrein devolveu o emprego aos trabalhadores que tinham sido demitidos em 2011 por causa de suas participações em manifestos políticos contra o governo.

Leia também: Ferrari confirma lançamento do novo carro em 3 de fevereiro

Seguindo as recomendações de um relatório independente encomendado pelo governo para investigar os protestos no ano passado, o circuito anunciou nesta quarta-feira (11) que os trabalhadores receberam uma proposta para reassumirem seus postos.

"O Circuito Internacional do Bahrein restabeleceu os empregados que tinham sido demitidos na sequência dos protestos realizados em 2011. O restabelecimento segue o decreto real de Sua Majestade, o Rei Hamad bin Isa Al Khalifa, para implementar as recomendações da Comissão Independente de Inquérito do Bahrein”, diz um comunicado oficial do circuito.

Siga o iG Automobilismo no twitter

A instabilidade política e a falta de segurança levaram ao cancelamento do GP do Bahrein de 2011, mas a corrida voltou ao calendário da Fórmula 1 neste ano, gerando muitas polêmicas. Nesta semana, um grupo de direitos humanos deu início a uma campanha para que equipes e pilotos boicotassem o evento , enquanto a organização do GP afirmou que o país está tomando as atitudes necessárias para acabar com violações de direitos.

Sobre a situação no país, o chefe da Ferrari, Stefano Domenicali, afirmou também nesta quarta-feira que as equipes da Fórmula 1 têm como única alternativa confiar no que a Federação Internacional do Automobilismo (FIA) e outras autoridades dizem.

"Ouvi que há muitos rumores sobre a situação. Precisamos confiar nas autoridades competentes. Temos as federações internacionais, temos relações com o país e não podemos nos basear em diferentes fontes de informação”, disse o dirigente durante um tradicional evento da escuderia italiana . “Acho que precisamos confiar nas autoridades oficiais. Eles vão fazer uma abordagem diferente. No fim, é isso o que temos que fazer”, completou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.