Tamanho do texto

Restrição do uso do sistema promovida pela FIA foi vista com bons olhos pelo chefe da Mercedes

A mais nova mudança de regra promovida pela Federação Internacional de Automobilismo (FIA) foi vista com bons olhos pelo chefe da equipe Mercedes, Ross Brawn. Ele acredita que a entidade não teve escolha ao impor a proibição do uso do difusor aquecido nas freadas, ainda que a medida tenha gerado incômodo dentre as equipes .

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Para Brawn, haveria uma chance ainda maior de causar discórdia entre os times caso a FIA não fizesse nada para mudar o atual status da categoria - a Hispania já havia ameaçado protestar formalmente por se ver muito distante das demais escuderias. O dirigente acredita que a decisão da entidade, colocada em prática no fim de semana do Grande Prêmio da Grã-Bretanha , foi totalmente acertada.

"Deixar as coisas como estavam nos encaminharia para uma série de protestos, e isso certamente não é o que queremos. Particularmente eu prefiro deixar as coisas acontecerem sozinhas, mas não queria uma série de protestos, nem ver a Fórmula 1 se tornar uma bagunça, com brigas nos tribunais", explicou.

"Todos nós estivemos lá (na F1), e vimos o que aconteceu com os difusores há dois anos. É diferente, pois a FIA foi muito feliz na decisão de legalizá-los, mas agora eles estão dizendo: alguém se beneficiou, então queremos controlar isso'", afirmou Brawn.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.