Entidade proibiu o dispositivo no túnel. Brasileiro era a favor do banimento do sistema na prova

Presidente da Associação de Pilotos, o brasileiro Rubens Barrichello se diz contra o uso da asa traseira móvel no Circuito de Mônaco . Porém, o competidor da Williams disse entender a Federação Internacional de Automobilismo, que pretende aumentar o nível de espetáculo das corridas. Nesta segunda-feira (23), a entidade anunciou que o uso do dispositivo está proibido no túnel da pista .

Siga o iG Automobilismo no Twitter

“Precisamos esperar para ver como poderemos usar a asa traseira móvel. A FIA está consciente do fato de que é reconhecidamente difícil ultrapassar em Mônaco, e eles estão tentando tornar isso possível sem tornar perigoso. Estou de mente aberta para o que eles decidirem”, disse Barrichello, que completou 39 anos na segunda (23) .

O brasileiro se disse ansioso para a corrida do próximo domingo (29), na qual espera tirar a Williams do zero nesta temporada – a escuderia ainda não pontuou.

“Mônaco é uma segunda casa para mim, então eu realmente gosto deste fim de semana, especialmente do classificatório. Estamos determinados a continuar lutando, já que queremos marcar pontos o mais cedo possível”, declarou Rubinho.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.