Endividado, Lehman Brothers quer negociar sua parte dos títulos até 2014

De acordo com o jornal inglês The Guardian , o gigante bancário que anunciou concordata em 2008 por conta da crise mundial estaria interessado em vender sua parte das ações da Fórmula 1 nos próximos dois anos. O banco americano é o acionista minoritário da categoria com 15,3% dos papéis da organização.

Leia também: Estreante na World Series, Lucas Foresti traça meta para chegar à F1

Quem estiver interessado em comprar toda a parte do Lehman Brothers teria de desembolsar US$ 1,5 bilhão (aproximadamente R$ 2,6 bilhões), valor estipulado dos preços. De acordo com a publicação inglesa, o montante ajudaria o banco a pagar seus credores. Desde 2008, o Lehamn Brothers tem vendido seus bens para poder pagar as dívidas.

Deixe seu recado e comente a notícia com outros leitores

O jornal ainda afirma que o grupo já tem a garantia de compra das ações do grupo LBI, credor e um dos novos administradores do banco. Caso não haja interessados até junho de 2014, o grupo compraria os títulos da F1.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

O negócio, entretanto, ainda depende de aprovação do acionista majoritário, o grupo CVC Capital Partners. Caso o grupo não concorde com a venda, o caso pode parar na justiça.

Bernie Ecclestone, presidente da FOM (Formula One Management, empresa que administra a F1), já chegou a ser acusado de corrupção na época das vendas das ações majoritárias para o grupo CVC.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.