Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Bahrein diz que não pode garantir segurança durante GP no país

Segundo organizador, não haverá reforços policiais para as equipes e pilotos durante o fim de semana da corrida

Gazeta |

Apesar da falta de preocupação de Bernie Ecclestone, chefe comercial da Fórmula 1, com o Grande Prêmio do Bahrein, o presidente da Federação de Automobilismo local e príncipe-herdeiro do país afirmou que não tem como garantir a segurança de pilotos e equipes durante os dias de atividade no circuito de Sakhir.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

O Bahrein passa por uma onda de protestos civis contra o governo local, com organizações de defesa dos direitos humanos denunciando prisões arbitrárias e torturas por parte das autoridades. Em 2011, a corrida abriria o calendário da Fórmula 1, mas os distúrbios fizeram a prova ser transferida para outubro e, posteriormente, cancelada. Para 2012, a corrida é a quarta do Mundial, prevista para o dia 22 de abril. "Não há garantias nesse mundo, só posso dizer que todos estarão tão seguros quanto em qualquer outro GP", disse Abdullah bin Isa Al Khalifa, príncipe-herdeiro e presidente da Federação de Automobilismo do Bahrein, à BBC. "Tivemos nossos problemas, pessoas fizeram coisas erradas, mas é hora de reconciliação, seguir em frente e ficarmos mais fortes e unidos", completou.

Leia também: De líderes a “derrotado”, brasileiros têm início de ano contrastante

Forças de oposição do Bahrein acusam o governo de tentar utilizar a Fórmula 1 para diminuir a relevância dos protestos civis diante dos olhares da comunidade global. Ainda de acordo com Abdullah bin Isa Al Khalifa, não haverá reforços policiais para as equipes e pilotos durante o fim de semana que a categoria estiver no país.

Leia tudo sobre: Fórmula 1BahreinAutomobilismoBernie Ecclestone

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG