Tamanho do texto

Segundo pilotos, o Circuito da Catalunha não costuma oferecer muitas oportunidades para ultrapassagens

Motivo de discordâncias neste começo de temporada , a asa traseira móvel terá, na opinião dos pilotos, seu primeiro grande teste durante o Grande Prêmio da Espanha. Tudo por conta das características do Circuito da Catalunha, que torna as ultrapassagens mais difíceis.

Siga o iG Automobilismo no Twitter .

“É normalmente muito difícil ultrapassar em Barcelona porque o melhor lugar, a primeira curva, é feita em velocidade muito alta. Na China e na Turquia, nos beneficiamos porque a zona de ativação da asa móvel levava a uma área de frenagem. Em Barcelona, deve ser mais difícil”, disse Lewis Hamilton, piloto da McLaren.

O alemão Michael Schumacher, da Mercedes, disse que pretende ver o impacto que as novidades da F1 nesta temporada podem causar na Espanha.

“Conhecemos o Circuito da Catalunha muito bem, mas vai ser muito interessante ver o efeito que o KERS, a asa traseira móvel e os pneus Pirelli terão em uma pista em que ultrapassar é sempre difícil”, declarou Schumacher.

Jarno Trulli, da Team Lotus, espera que a asa traseira móvel provoque o efeito desejado para tornar a corrida mais emocionante para os torcedores.

“Não existem muitos pontos de ultrapassagens na pista, então vamos ver se a asa traseira móvel exerce a mesma função que conseguiu na Turquia. Se conseguir, pistas como Barcelona vão de repente ter pontos de ultrapassagem, e isso vai ser bom para os fãs”, disse o italiano.