Publicidade
Publicidade - Super banner
Automobilismo
enhanced by Google
 

Alonso pede melhora do ritmo da Ferrari em classificatórios

Espanhol afirma que só conseguirá brigar por vitória com uma posição melhor no grid de largada

iG São Paulo |

Após largar em sexto no Grande Prêmio da Coreia do Sul desse domingo (16) e terminar fora do pódio, Fernando Alonso acredita que, se ainda quiser vencer, a Ferrari precisa melhorar seu desempenho em treinos classificatórios para as últimas três etapas da temporada.

Veja também: Com vitória de Vettel, Red Bull conquista segundo título na F1

O espanhol mais uma vez mostrou um ritmo forte na corrida, mas suas chances de brigar pelo pódio foram reduzidas por uma posição ruim no grid de largada. Para Alonso, sua equipe ainda precisa trabalhar para extrair uma velocidade maior do carro em uma única volta.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

"Tivemos um bom ritmo no final da corrida, isso é verdade, estávamos bem rápidos com os pneus macios. Mas no começo eu estava perto do máximo também, então não acho que poderia ter feito muito melhor do que estava fazendo”, admitiu o piloto, que terminou a prova coreana em quinto.

"Isso é consequência de um treino classificatório ruim. É algo que normalmente experimentamos no domingo: um ritmo melhor do que no sábado, mas, devido a um desempenho não muito bom no classificatório, só nos aproximamos dos líderes no final da corrida, quando já era muito tarde”, explicou.

Para Alonso, a única forma de voltar a subir ao pódio e, quem sabe, até vencer, é melhorar o ritmo nos treinos classificatórios, para começar as provas já na briga por melhores posições.

“Precisamos melhorar nosso desempenho no sábado, tentar começar um pouco mais na frente e então, no domingo, sabemos que, por alguma razão, nosso ritmo é semelhante ao dos outros”, avaliou o ferrarista.

Quando questionado sobre o comentário que fez à equipe pelo rádio nas últimas voltas do GP da Coreia, dizendo que havia desistido de brigar pela quarta colocação, Alonso explicou: “Fiz 20 voltas como se estivesse no treino classificatório para alcançar o grupo de carros na minha frente. A duas voltas do fim, tive um momento na última curva, em que quase bati no muro. Perguntei para o time quantas voltas restavam e eles me responderam que apenas duas. Falei ‘não posso fazer isso pessoal, foi o suficiente por hoje’”.
 

Leia tudo sobre: F1Fernando AlonsoFerrarifórmula 1yeongam

Notícias Relacionadas


Mais destaques

Destaques da home iG