Tamanho do texto

Espanhol elogia Kubica e esclarece sua situação com Hamilton: "Não tenho problemas com ele"

Após recusar proposta da Red Bull antes de ir para a Ferrari, Fernando Alonso afirmou ao site Formula Santander , um dos patrocinadores da equipe italiana, que considera mais importante para a carreira de um piloto ter passagem pela escuderia de Maranello do que conquistar títulos mundiais. O espanhol é bicampeão de Fórmula 1 pela Renault nos anos de 2005 e 2006. Seu contrato com o time italiano vai até 2016 e seu chefe, Luca di Montezemolo, afirmou que está satisfeito com seu trabalho .

Siga o iG automobilismo no Twitter

“Na Red Bull, talvez eu teria conquistado três ou quatro campeonatos do mundo, mas não seria tão feliz como eu sou agora e nem pilotaria para a Ferrari”, afirmou Alonso. “Acho que é mais importante que um piloto possa dirigir para a Ferrari do que ganhar um campeonato do mundo”, completou.

Para Alonso, é importante correr em sua atual escuderia porque ela é única. “A Ferrari é a Ferrari. É difícil dizer com palavras, mas estar aqui é dirigir para a melhor marca de automóveis da história”, disse. “Essa equipe te oferece a oportunidade de representar o 'cavalinho' no mundo inteiro, de colaborar e de experimentar os carros que eles produzem. As equipes particulares da F1 ou os que não têm uma marca de carros são simplesmente uma equipe de F1, e a Ferrari é muito mais”, completou

Alonso também falou sobre sua relação com Robert Kubica, que por conta de grave acidente corre risco de não voltar à categoria mais importante do automobilismo . O espanhol afirmou que deseja a volta rápida do polonês. “Ele é um piloto muito simpático, com muito carisma e eu acho que quem mais sente falta dele é sua equipe (Lotus Renault), porque neste ano eles têm um carro ótimo e não têm ninguém para lutar por pódios e vitórias. Espero que ele possa voltar logo”, afirmou Alonso.

Para finalizar, o bicampeão mundial esclareceu sua relação com Hamilton e com a McLaren. O espanhol afirmou não ter nenhum problema com o campeão mundial de 2008, mas disse que não voltaria à McLaren para realizar uma nova parceria. “Tenho um respeito absoluto por ele. Contanto que não seja na McLaren, dividir uma equipe com ele seria bom”, concluiu.