Com apenas oito anos de vida, equipe austríaca tornou-se a quarta a conquistar três mundiais seguidos

Desde que o Mundial de Construtores da Fórmula 1 começou a ser disputado, em 1958, apenas 14 escuderias se sagraram campeãs. Uma delas é a Red Bull que, com seu terceiro título consecutivo, conquistado no Grande Prêmio dos Estados Unidos deste domingo (18), faz história ao igualar o feito que apenas três equipes haviam conseguido. Ferrari, McLaren e Williams eram os únicos times até 2012 a ganhar o Mundial por três ou mais anos seguidos.

Leia também:  Hamilton passa Vettel, vence GP dos EUA e decisão do título fica para o Brasil

A proeza da Red Bull se torna ainda mais impressionante se for levada em consideração a vida curta do time - a escuderia austríaca estreou na F1 em 2005, há apenas oito anos. Naquela temporada, com David Coulthard e Christian Klien nos cockpits, a equipe terminou no sétimo lugar, resultado repetido em seu segundo ano de existência.

Em 2007, já com Mark Webber (no lugar de Klien), o time evoluiu e alcançou a quinta posição no Mundial. Em 2008, porém, voltou a ficar em sétimo.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

Foi em 2009, no entanto, que o status da Red Bull na categoria mudou definitivamente. O ano marcou também a estreia de Sebastian Vettel na equipe. Juntos, Vettel e Red Bull alcançaram segundos lugares tanto entre os Construtores, quanto entre os pilotos.

Em 2010, a dupla Vettel-Webber foi mantida e ambos fizeram um campeonato disputadíssimo com Fernando Alonso (Ferrari) e os pilotos da McLaren, Lewis Hamilton e Jenson Button. A coroação do time austríaco veio exatamente na última prova da temporada, em Abu Dhabi, com o primeiro título de Vettel. A cereja do bolo foi a conquista entre os Construtores, o primeiro do time em apenas seis anos de existência.

Pódio de Vettel neste domingo garantiu Mundial de Construtores da Red Bull
Reuters
Pódio de Vettel neste domingo garantiu Mundial de Construtores da Red Bull

O equilíbrio que marcou a primeira conquista da Red Bull não se repetiu em 2011. Com um desempenho muito superior aos concorrentes, a equipe venceu nada menos que 12 das 19 provas da temporada, tendo Vettel no alto do pódio onze vezes. Nas pole positions, a hegemonia foi ainda mais assombrosa: somente uma vez em toda a temporada não houve um carro da Red Bull largando na primeira posição.

Com o tricampeonato em 2012, a Red Bull assumiu isoladamente a quinta posição no ranking de títulos por equipes (Ferrari, McLaren, Williams e Lotus estão na sua frente). O fato de ser apenas a oitava temporada da escuderia na F1 torna a marca ainda mais expressiva: a Brabham, por exemplo, correu de 1962 a 1992 e conseguiu dois mundiais no período.

Ferrari tem maior sequência de títulos consecutivos

Campeã de construtores em 1961 e 1964, a Ferrari só voltaria a ser a melhor equipe da F1 em 1975. A espera, no entanto, valeu muito: no GP da Itália daquele ano, os ferraristas também viram seu piloto Niki Lauda ser campeão. Nos dois anos seguintes, a escuderia repetiu o título por equipes, se tornando a primeira tricampeã consecutiva.

A marca poderia ter sido igualada pela McLaren em 1986, mas a Williams interrompeu a sequência e teve a chance do tri em 1988. A McLaren, no entanto, deu o troco e iniciou a trajetória que culminaria no tetra em 1991. Nos três anos posteriores, a Williams chegou ao tri em 1994.

Com Michael Schumacher no comando de 1996 a 2006, a Ferrari estabeleceu a maior sequência de títulos de uma equipe na história da F1: seis, entre 1999 e 2004. À exceção do primeiro ano, em todos os outros o alemão foi campeão entre os pilotos.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.