Com GP em Austin, F1 mais uma vez tenta se aproximar do público norte-americano

Categoria tem provas nos EUA desde 1950, mas nunca conseguiu se firmar na terra da Nascar e da Indy

Bruno Gecys - iG São Paulo |

A Fórmula 1 desembarca neste fim de semana nos Estados Unidos tentando mais uma vez ganhar popularidade e importância no país. Buscando bater a concorrência de Nascar e Indy , categorias mais acompanhadas pelos norte-americanos, Bernie Ecclestone espera o crescimento da F1 no principal mercado mundial.

Leia também:  TV Globo confirma que não transmitirá GP dos EUA ao vivo

Desta vez, a prova será disputada no recém-construído Circuito das Américas, em Austin . A pista no estado do Texas tem contrato de dez anos com e já pode decidir o campeonato em sua estreia, caso Sebastian Vettel aumente de dez para 25 de vantagem para Fernando Alonso.

Animada com a oportunidade, a organização do GP considera ideal a chance de começar na F1 já com a decisão de título. “Sediar uma corrida de Fórmula 1 em qualquer data do campeonato já é um grande feito. Mas a possibilidade de decidir o título na penúltima prova é muito importante para nós, logo no nosso primeiro ano”, comentou Ali Putnam, porta-voz do circuito.

Além de Austin, os Estados Unidos têm outra corrida programada para acontecer a partir de 2014: o GP da América, nas ruas de Nova Jersey, com vista para a ilha de Manhattan. A prova já estava programada no calendário de 2013, mas foi adiada por mais um ano .

E as pretensões do chefe da categoria não param por aí: Ecclestone quer ainda mais provas nos EUA. “É um campeonato mundial, então você precisa dos Estados Unidos. A América é tão grande quanto a Europa. Assim, devemos ter o mesmo número de corridas”, comentou. 


No calendário desde a década de 1950

A Fórmula 1 tem história nos Estados Unidos. As primeiras provas disputadas lá foram justamente as 500 Milhas de Indianápolis, mas à parte do campeonato nos anos de 1950. Na época, pouquíssimos pilotos europeus viajavam até o país, e a prova era dominada pelos americanos.

Deixe seu recado e comente esta notícia com outros leitores 

O circuito de Watkins Glen, em Nova York, foi onde a F1 mais se estabeleceu, entre 1961 e 1980, em uma prova que já se tornava tradicional. Em 1976 ainda foi criado o GP do Oeste dos EUA, que aconteceu em Long Beach de 1976 a 1983.

Em 1981, o GP em Las Vegas, em um circuito improvisado no estacionamento do Hotel Caesars Palace e que substituía Watkins Glen, foi realizado, mas durou apenas até a temporada seguinte, quando o circuito de Detroit também passou a receber a categoria, deixando o ano de 1982 com três corridas nos EUA: Las Vegas, Long Beach e Detroit.

Na década de1990, a F1 perdeu força novamente nos EUA e só voltou para três corridas em Phoenix, de 1989 a 1991, com duas vitórias de Ayrton Senna e uma de Alain Prost. Depois disso, a categoria passou a utilizar parte do circuito de Indianápolis, mais conhecido pelo oval que recebe as 500 Milhas da Indy.

Siga o iG Automobilismo no Twitter 

A prova em Indianápolis começou a ser disputada em 2000, com um início animador e um público de mais de 200 mil pessoas. Mas a categoria nunca manteve o prestígio desde então. Com isso, o GP dos Estados Unidos durou dali até 2007, quando saiu do calendário.

Divulgação / Circuito das Américas
Mario Andretti é o embaixador do Circuito das Américas e o principal piloto norte-americano da história da F1

Mario Andretti coloca EUA no mapa

Mario Andretti é o principal nome norte-americano ligado à Fórmula 1. Nascido na Itália, foi naturalizado e começou a correr na categoria em 1968, ainda em poucas provas. Dez anos depois, tornou-se o único piloto do país campeão da F1, em uma temporada que venceu seis provas.

Neste ano, Andretti é embaixador do Grande Prêmio dos Estados Unidos e tenta ligar a Fórmula 1 ao país novamente através de seu nome, que ficou ainda mais famoso com sua carreira na Indy, onde fez grande sucesso.

Na atualidade, Alexander Rossi é o norte-americano mais próximo da categoria. Reserva da Caterham, participou do primeiro treino livre para o GP da Espanha deste ano, além do teste de jovens de Abu Dhabi. Não poderá treinar em seu país, pois a dupla titular de pilotos terá de se acostumar ao novo circuito.

Confira a programação completa do fim de semana da Fórmula 1 nos Estados Unidos*:

Sexta-feira, 16 de novembro
1º treino livre: 13h
2º treino livre: 17h

Sábado, 17 de novembro
3º treino livre: 13h
Classificatório: 16h

Domingo, 18 de novembro
Grande Prêmio dos Estados Unidos: 17h

* Sempre pelo horário de Brasília

    Para receber as notícias de Esportes envie igesportes para 49810 . 10 dias sem custos * * Após este período, custo de R$ 0,31 + imp. por mensagem recebida.
    Leia tudo sobre: AustinCircuito das AméricasF1Fórmula 1Mario Andretti

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG