Tamanho do texto

Equipe não conseguia repetir nas corridas bons resultados dos treinos. Triunfo de Rosberg na China muda essa realidade? Opine

Nos últimos anos, a Mercedes ganhou uma fama desagradável e se consagrou como “leão de treino” da Fórmula 1 . A equipe fazia ótimos treinos livres e classificatórios, mas não conseguia repetir o bom desempenho nas corridas. A temporada 2012 não começou diferente para o time, que somou apenas um ponto nas duas primeiras provas, após bons treinos. No entanto, a vitória de Nico Rosberg no Grande Prêmio da China pode ter sido o ponto de partida para uma nova realidade da escuderia.

Leia também: Apesar de pressões, filho do rei do Bahrein descarta cancelar GP

No ano passado, seu segundo de volta à F1, a Mercedes não subiu ao pódio e teve como melhor resultado o quarto lugar de Michael Schumacher no Grande Prêmio do Canadá. No entanto, a situação da equipe foi bem diferente nos treinos livres. Ela teve pelo menos um de seus pilotos entre os três primeiros colocados em 14 das práticas livres.

O melhor desempenho foi na etapa da Bélgica, em que o time fez dobradinha no primeiro treino livre, com Schumacher na frente. O heptacampeão liderou também a primeira sessão de testes do Canadá e da Coreia do Sul.

Nico Rosberg comemora a primeira vitória da Mercedes desde seu retorno à F1
Getty Images
Nico Rosberg comemora a primeira vitória da Mercedes desde seu retorno à F1

Em treinos classificatórios o ritmo da escuderia foi inferior. Schumacher se classificou só uma vez à frente da oitava posição. Rosberg foi o único a conseguir largar das primeiras filas, com o quarto lugar na China e o terceiro lugar na Turquia - seu melhor grid. No entanto, aos domingos, seu rendimento despencava. Ele piorou de posição em relação à largada em 12 das 19 provas de 2011.

Siga o iG Automobilismo no Twitter

A condição de leoa de treino da Mercedes se acentuou no início da atual temporada. Com um carro tido como um dos favoritos, Schumacher liderou o segundo treino livre para a corrida de abertura de 2012, em Melbourne, e largou em quarto. No entanto, abandonou a prova, enquanto seu companheiro, que havia começado em sétimo, terminou em 12º.

Ainda sem pontuar, a Mercedes decepcionou também no segundo GP. Na Malásia, a equipe esteve entre os líderes em todas as práticas livres, com Rosberg dominando o terceiro treino. Schumacher novamente largou na segunda fila, desta vez na terceira posição. No entanto, o time voltou a deixar a desejar na corrida, marcando apenas um ponto com o heptacampeão.

Na China, a história parecia se repetir. Nem a dobradinha da escuderia no classificatório, com a primeira pole da carreira de Rosberg, direcionou as apostas para o time. Após duas corridas sofrendo com o desgaste dos pneus e com a McLaren em um momento melhor, era difícil confiar na vitória da Mercedes.

Deixe o seu recado e comente a notícia com outros leitores

Schumacher cumpriu a profecia e abandonou ainda no começo da prova, após falha da equipe no pitstop. Rosberg, no entanto, seguiu na ponta por toda a prova, administrou bem seus compostos, fez uma estratégia de apenas duas paradas e, finalmente, conseguiu levar a equipe ao lugar mais alto do pódio.

Resta saber agora se Rosberg conseguirá dar continuidade a seu excelente momento. O alemão já foi o mais rápido desta sexta-feira (20) de treinos para o GP do Bahrein, mas será que conseguirá repetir o triunfo no domingo? E Schumacher, continuará a ser coadjuvante ou entrará de vez na briga por pódios? Deixe sua opinião na enquete.