Tamanho do texto

Jorge Eurico da Silva Faria insinua que a própria família de Bernie Ecclestone estaria envolvida no crime e acusa a polícia de ter se precipitado no caso

Bernie Ecclestone, ex-chefão da F1, é casado com a brasileira Fabiana Flosi. Sua sogra foi sequestrada em 2016
Divulgação
Bernie Ecclestone, ex-chefão da F1, é casado com a brasileira Fabiana Flosi. Sua sogra foi sequestrada em 2016

O empresário e piloto de helicóptero Jorge Eurico da Silva Faria, acusado de sequestrar Aparecida Palmeira, sogra do ex-chefão da F1 Bernie Ecclestone , resolveu fazer uma revelação bombástica sobre o caso. Um ano depois de ser preso, ele deu uma versão completamente diferente para o caso.

Leia também: Senna e Schumacher já protagonizaram batidas propositais na Fórmula 1; relembre

Cumprindo prisão preventiva em Itaí, interior de São Paulo, desde agosto do ano passado, Faria insinuou em entrevista ao "Domingo Espetacular", da TV Record, que houve envolvimento da família do próprio dirigente da F1 no crime. "Eu já disse em juízo. Esse sequestro foi uma grande farsa", comentou o acusado.

Português radicado em território brasileiro desde quanto tinha apenas oito anos, ele tem empresas no Brasil, Portugal e Moçambique que prestam serviços aéreos, de segurança e limpeza. Ele afirma que não teve envolvimento no sequestro, reclama da atuação da política e faz uma denúncia.

Leia também: Acompanhar Fórmula 1 em Singapura pode ser inesquecível ao torcedor; veja motivo

"O Vitor (outro acusado de envolvimento) me indicou como mandante, depois de ser torturado, segundo ele mesmo me disse. Mostraram uma foto minha, disseram que já tinham grampo telefônico, tudo meu. De acordo com ele, para parar de apanhar, não aguentava mais choque, ele confirmou", finalizou Jorge Faria.

O caso

Em agosto de 2016, a Justiça de São Paulo determinou a prisão preventiva dos três suspeitos de participar do sequestro da sogra de Ecclestne: o piloto de helicóptero Jorge Eurico da Silva Faria, considerado pela polícia responsável pelo plano, além de Vitor Oliveira Amorim e Davi Vicente Azevedo. 

Leia também: Pilota de 19 anos quer provar que mulheres podem, sim, competir na F1

Segundo a polícia, Jorge Faria era o responsável pelas operações de pouso e decolagem de helicópteros no autódromo de Interlagos durante as corridas da categoria no Brasil. Foi dispensado depois de ter sido indiciado pelo furto de um helicóptero em um hangar em São Paulo em junho de 2014.

O ex-chefão da F1 afirmou que ficou surpreso ao saber do suposto envolvimento do piloto Jorge Faria no crime. Ele foi apontado pela polícia como mentor do sequestro. "Mas parece que ele já tinha uma má reputação, então talvez não tenha sido uma grande surpresa no fim das contas", comentou Ecclestone na ocasião.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.