Brasileiro, que faz sua temporada de estreia na categoria pela equipe Sauber, confirmou na edição de maio da revista que os pilotos são "imãs" de mulheres. "Faz parte do pacote", afirmou

O brasileiro Felipe Nasr faz sua temporada de estreia como piloto titular na F1 pela Sauber
Divulgação/Sauber
O brasileiro Felipe Nasr faz sua temporada de estreia como piloto titular na F1 pela Sauber

Principal surpresa positiva da atual temporada da Fórmula 1, o brasileiro Felipe Nasr, que cumpre sua temporada de estreia na categoria como piloto da equipe Sauber, foi um dos entrevistados na edição brasileira da revista Playboy deste mês, que já está nas bancas. E confirmou uma antiga lenda que cerca os pilotos de F1, a respeito do assédio feminino. "Isso acontece, confesso. Não tem jeito, faz parte do pacote de ser piloto", disse Nasr, 

O piloto da Sauber disse na entrevista à Playboy que, por conta das redes sociais, os pilotos adotam um perfil mais discreto que antes, mas conservam o estilo "bon-vivant" que sempre caracterizou a Fórmula 1. “Tudo o que se faz ganha proporções enormes e histórias sempre aparecem, sejam verdadeiras ou não. Mas nada mudou”, garante.

Conheça algumas das mulheres dos pilotos da Fórmula 1


Embora tenha começado sua carreira no kart, aos sete anos, Nasr afirmou na entrevista que nunca deuxou de fazer coisas que todo adolescente faz "Ser piloto é uma escolha, e para ser dos bons é preciso manter certas regras, mas sem fanatismos exagerados. Fui e vou a muitas festas, namoro... Mas gosto mesmo é de beber champanhe nos pódios."

Nasr também negou que para fazer sucesso numa equipe de F1, a primeira coisa a ser feita é anular o seu companheiro de equipe. "É outra frasezinha feita que teima em ser repetida. O Marcus Ericsson é mais um dos que estão na pista, e não tenho nenhuma intenção, interesse ou tempo de ficar criando polêmicas", afirmou.

Leia mais

Massa: “Estamos indo para Espanha para diminuir a diferença para os rivais”

O brasileiro também não se assusta com a responsabilidade de ser uma espécie de última esperança para o país na F1, que desde Ayrton Senna nunca mais viu um piloto brasileiro ser campeão mundial. "Já tem algum tempo que criaram essa expectativa. Minha mensagem é: tenham calma. Fiz minha carreira muito bem estruturada até aqui e não vou dar um passo maior que a perna. Sempre vai ter a comparação, mas quem entende de corrida sabe que não vai aparecer outro Senna, outro Piquet, outro Emerson. É outra época, outra história. Estou fazendo a minha e espero fazer sucesso na F-1", afirmou.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.