Temporada 2013 da Fórmula 1 vem sendo criticada por torcedores, ex-pilotos e dirigentes de equipes por conta de sua "competitividade artificial

O tetracampeão Alain Prost é o maior nome da história do automobilismo francês
Getty Images
O tetracampeão Alain Prost é o maior nome da história do automobilismo francês

A temporada 2013 da Fórmula 1 vem sendo criticada por torcedores, ex-pilotos e dirigentes de equipes por conta de sua "competitividade artificial", fruto dos pneus fabricados pela Pirelli. Tetracampeão mundial, Alain Prost fugiu à regra nesta sexta-feira, em entrevista à revista Autosport, e defendeu a imprevisibilidade das provas.

"Devemos lembrar que as pessoas criticavam muito quando um piloto fazia a pole position, liderava a corrida e nada acontecia", falou o francês, "Temos que ter algum equilíbrio. Acho que o momento hoje não é ruim, porque pelo menos temos um show. Temos uma longa temporada, com um monte de incertezas, e é isso o mais importante para a F1".

Na visão de Prost, os recursos atuais, cujo alto desgaste dos pneus que provocam muitos pits servem de maior exemplo, apenas aumentam o equilíbrio entre equipes e pilotos, deixando assim a temporada mais competitiva.

"Se você tem essas novas tecnologias, isso significa que você tem algo para vender que também é diferente para hoje. E se você ainda tem o show, é ainda melhor", afirmou o "Professor", comparando a situação atual com a que viveu entre os anos 1980 e 1990.

"Não sei se eu poderia fazer o mesmo trabalho. Não acho que você pode comparar os pneus de hoje com os pneus da minha época. Ainda que você tenha apenas um fabricante, é mais ou menos o que tivemos nos anos 80, quando você tinha duas ou três escolhas dos compostos e depois você fazia o que quisesse com eles, sem pit-stop obrigatório", disse Prost.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.