Tamanho do texto

Volante faz parte dos planos de Cuca e tem a confiança da diretoria, que aposta na sua recuperação em 2012

Entre os 23 jogadores contratados pelo Atlético-MG para a temporada 2011, o volante Richarlyson foi o quarto mais caro. Ele custou R$ 1,5 milhão para o clube mineiro. No entanto o investimento não se fez valer, já que o jogador não repetiu em Minas Gerais as boas atuações que teve no São Paulo , durante os cinco anos que defendeu o clube do Morumbi. Mas a confiança da diretoria e do técnico Cuca no jogador segue alta.

Veja também: Empresário diz que Palmeiras não descarta Richarlyson

“O Richarlyson não foi o jogador que esperávamos. Mas a gente espera que ele possa ser o jogador que nós contratamos. Que é o Richarlyson que foi campeão brasileiro e da Libertadores, que todo mundo queria. Não pode ser que, por um ano ruim do jogador, você chute o balde. Temos que tirar o bom proveito. O Richarlyson não foi, mas ele é muito útil ao treinador”, disse Eduardo Maluf, diretor de futebol do Atlético-MG.

Leia também: Diretor diz que Atlético-MG vai ter novidades na reapresentação

Em 2011 foram 45 partidas pelo clube mineiro e apenas um gol marcado. O fato de Richarlyson jogar em mais de uma posição o faz bem visto por Cuca, tanto que o volante terminou o ano como o lateral-esquerdo titular. “Nenhum treinador quer abrir mão de um jogador que jogue em três, quatro posições. Ele passou por um período de adaptação, não foi bem, mas vai ter oportunidade no segundo ano”, disse Maluf, que negou qualquer possibilidade de ceder o jogador ao Palmeiras .

“Nunca teve essa de oferecer o Richarlyson em troca. Numa das idas a São Paulo, onde o Felipão estava, ele brincou que queria Neto Berola, Bernard e Richarlyson. Foi uma brincadeira e falei que ia dar os três para pegar o Pierre. Mas não passou de uma brincadeira”.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.