Após acordo de pagamento de dívidas fiscais e o consequente desbloqueio de verbas, Daniel Nepomuceno deseja aumentar a capacidade em oito mil lugares usando arquibancadas móveis

A homologação, de acordo com a Fazenda Federal, para o pagamento de dívidas fiscais e desbloqueio de verbas fez o Atlético-MG  traçar planos mais ambiciosos para 2015. Sucessor de Alexandre Kalil, o presidente Daniel Nepomuceno tem como desejo ampliar a capacidade do Estádio Independência. Assim, o Horto passaria a comportar 30 mil pessoas, oito mil a mais que a atual capacidade.

Leia mais sobre o Atlético-MG no iG Esporte

Novo presidente do Atlético-MG deseja aumentar a capacidade do Estádio Independência
Bruno Cantini/Clube Atlético Mineiro
Novo presidente do Atlético-MG deseja aumentar a capacidade do Estádio Independência


A ampliação do campo, que pertence ao América-MG, seria feito com arquibancadas móveis, em configuração análoga à apresentada pela Arena Corinthians durante a Copa do Mundo. Para viabilizar o projeto, Nepomuceno visitou a empresa Fast Engenharia, em São Paulo - uma das duas únicas empresas no Brasil que trabalham com a tecnologia apropriada.

"É um assunto complexo. Depende da aprovação das autoridades. Tem que ser algo móvel. Temos o problema dos vestiários serem muito grandes naquela área (atrás de um dos gols). É uma questão mais técnica do que financeira", declarou Nepomuceno, em entrevista ao portal Super Esportes .

Porém, quando questionado sobre o prazo para a concretização, o presidente atleticano adotou calma e não deu previsões, mostrando preocupação apenas com o bom andamento da obra. "Essa nova tecnologia chegou ao Brasil após a Copa e possibilita ao clube ter uma arquibancada de altíssima qualidade. O que precisamos agora é fazer um estudo técnico para ver a possibilidade de adaptá-la no Independência sem ter de desapropriar ninguém, com todos os laudos de segurança", especificou.

Por fim, Nepomuceno expôs que a disputa da primeira fase na Copa Libertadores da América no Horto independe da possível ampliação. Todavia, mandar partidas no Mineirão é uma possibilidade que o mandatário cogita estudar antes mesmo dos estágios decisivos.

"Claro que vamos levar em conta o fator campo, pois o Atlético mostrou força lá dentro para conquistar títulos de importância. Uma coisa é você jogar só uma final em outro estádio como o Mineirão vindo embalado, outra é criar uma base, o alicerce ali. Não podemos ser simplistas. Claro que, a longo prazo, como pretendemos aumentar nosso programa de sócio-torcedor, teremos de ter uma casa maior. Ou seja, teremos de começar a mesclar", encerrou o presidente.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.